Hélio José defende integração energética, de energia renovável, na América-Latina, em reunião do Parlatino

0
264

O senador Hélio José (PMDB-DF) participou de reunião na sede do Parlamento Latino-Americano e do Caribe (PARLATINO)(19), na República do Panamá. Na ocasião o parlamentar defendeu a Lei do Marco da Integração Energética das Américas, além do aproveitamento dos Resíduos Sólidos Urbano (RSU), na produção de energias renovável.

Engenheiro Eletricista por formação, Hélio José que preside a Frente Parlamentar Mista da Infraestrutura Nacional e da Comissão Senado do Futuro é defensor da expansão da matriz energética com energia limpa, entre elas, a geração de energia eólica, solar, além da produção de energia com aproveitamento dos RSUs, por meio de pirólise –  tipo de reação de decomposição ou análise, em que uma substância é decomposta em outras, pela ação do calor do fogo.

Para o senador, além de garantir a preservação do meio ambiente, observando a vocação energética de cada país, a integração energética deve promover a cooperação regional no âmbito das energias renováveis. Ainda de acordo com Hélio José, a produção de energia limpa com RSUs também colabora com a cidadania, uma vez que pode ser instrumento de apoio às cooperativas de catadores para reciclagem de lixo.

A proposta da integração energética foi aprovada pelos membros das Comissões de Meio Ambiente e Turismo, Assuntos Económicos e da Energia e Minas do PARLATINO.

No Brasil…

Enquanto a energia renovável é discutida no âmbito do PARLATINO, no Brasil o tema não foi esquecido. Na quarta-feira (17), Hélio José foi um dos palestrantes no Congresso Internacional de Energias Renováveis e Sustentabilidade (CIERS), evento com duração de três dias, realizado pela Câmara de Comércio Brasil Portugal Centro-Oeste, no Centro de Convenções Ulisses Guimarães. O evento abordou o tema: A atual realidade das energias renováveis e da sustentabilidade no mundo.

Na ocasião, o parlamentar falou sobre uma visão geral dos impactos econômicos e regulatórios da adoção de fontes de Geração de Energia. Hélio José  exemplificou o investimento em produção de energia limpa por parte da China, o que considerou, um modelo a ser seguido pelo Brasil.

“A China, tem uma solimetria bem menor que a brasileira prevê a produção de mais de 2/3 de toda matriz energética brasileira. Em, 2013, o governo chinês anunciou um investimento de U$ 56 bilhões, para os próximos cinco anos e estimam uma produção de 100 Gigawhatts (GW) de energia elétrica, via fontes solares. O Brasil prevê, nesse mesmo período, apenas 3GW de produção de energia renovável por meio dessas fontes”, observou Hélio José.

Por ASCOM HJ | Foto: Divulgação/Parlatino

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA