Um terço da água potável do DF é desperdiçada na rede de distribuição, afirma senador Hélio José

0
160

Falta de gestão, infraestrutura e até furto são apontados pelo parlamentar

Em discurso na tribuna do Senado Federal, na noite de segunda-feira (2), o senador Hélio José (PMDB-DF) abordou a crise hídrica do DF. O parlamentar lembrou que embora tenha iniciado o período de chuvas, a população continua a sofrer com o racionamento. Entre os problemas apontados estão a falta de gestão, infraestrutura e até o furto de água potável em ligações clandestinas.

O parlamentar lembrou que, no oitavo mês consecutivo de racionamento de água, os dois reservatórios de água do DF, as barragens do Descoberto e de Santa Maria, responsáveis pelo abastecimento de 80% da demanda de consumo do DF, permanecem com medições dos níveis em estados críticos. O senador pontuou ainda que, caso as medições continuem a reduzir, a população pode passar a conviver com racionamento em dois dias da semana.

“Em janeiro, o Descoberto registrava 18,94% da capacidade de armazenamento, só; só 18,94% da capacidade de armazenamento, um recorde histórico. Hoje a situação não é muito diferente. Esta semana, a barragem do Descoberto operava com apenas 18,5% do volume máximo e a de Santa Maria, com 30,1%. São os novos recordes. Se o reservatório do Descoberto chegar a 9%, o rodízio de água nas regiões abastecidas por ele pode ser ampliado de um para dois dias na semana. Imaginem, se um dia já tem problema, em três! Se forem dois, a gente vai ter problema na semana inteira”.

Gestão

Para Hélio José, a falta de gestão é um dos principais problemas que levou ao racionamento de água no DF. O parlamentar observou que a densidade populacional da capital do país saltou, desde 1980, de um, para três milhões de habitantes, mas poucas providências foram tomadas para absorver a demanda de consumo.

Segundo o senador, a atual gestão teve conhecimento, desde 2015, do estado crítico em relação ao fornecimento de água no DF. Hélio José, observou que embora ainda não houvesse problema de racionamento, naquele ano, o governo ignorou o problema, a exemplo da retomada da finalização das obras da barragem de Corumbá IV, capitaneada pelos governos do DF e do estado de Goiás, com previsão de término, para março de 2019.

“Engana-se quem acredita que as causas para tamanho sacrifício são somente derivadas de problemas climáticos. É certo que, em 2015, não havia crise, já que os reservatórios estavam com 100% de suas capacidades. Durante o ano de 2016, contudo, o brasiliense viu menos água que o comum, e o sistema de abastecimento do Distrito Federal não conseguiu sobreviver a uma seca de menos de um ano. Isso apesar de todos os estudos divulgados, que já alertavam para esse risco. Faltou compromisso, Sr. Presidente, faltou responsabilidade com a população da cidade”, disse Hélio José.

Desperdício

Hélio José falou ainda do desperdício de água potável, ao observar que um terço da captação ´se perde pelo caminho´. Vazamentos, furtos na rede de abastecimento e a falta de manutenção da rede foram apontados como responsáveis pela perda de aproximadamente 35% das captações do recurso hídrico no DF.

“Há, ainda, outro grave problema, que são os vazamentos e furtos na rede de abastecimento de água é uma rede ultrapassada. Um terço da água distribuída é simplesmente perdida dessa maneira. Um terço da água de Brasília é perdida nas redes, que são ultrapassadas, antigas e que não resistem”.

Segundo o senador, o volume de perdas segue “uma tendência de aumento”. O parlamentar explicou que em 2012, 29% da água captada foi perdida, índice que subiu para 31,5%, 33,4% e 35,2% nos três anos seguintes. “Toda a água tratada pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal, que foi dissipada em razão de rompimento de adutoras ou ligações clandestinas, por exemplo”, explicou Hélio José ao alertar “Aí não tem sistema de água que resista”, complementou.

Alerta

Hélio José fez um alerta aos gestores públicos do Distrito Federal, para que tome providências “realmente efetivas”, de modo a garantir segurança hídrica à população do DF, lembrou que o racionamento de água afeta tanto as pessoas quanto o comércio e pediu uma solução definitiva ao problema.

“Não podemos permitir que esse tipo de problema estrutural prejudique as famílias do DF. O nosso comércio e a nossa indústria não resistem a essa crise por muito mais tempo. Não podemos mais estar sujeitos a sacrifícios decorrentes da imprudência de nosso atual Governo. A solução para a crise da água em Brasília deve ser definitiva”, disse Hélio José.

Por: Ascom HJ – Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA